terça-feira, 30 de abril de 2013

Tarsyla do Amaral-Almira Reuter- Assunção Gonçalves

                     Amigos do blog, conheçam estas três artistas brasileiras . Todas muito importantes nos seus segmentos e época. 
 Assunção hoje com 98 anos , mora em Juazeiro do Norte Ceará, Almira Reuter com 64 anos , mora em Cuiabá-Mato Grosso. 
Pesquisem e conheçam três das maiores artistas deste Brasil. 
 Iderval Reginaldo Tenório

                                                        TARSYLA DO AMARAL
                                                                  SÃO PAULO
                                                                Grande Artista
Tarsila do Amaral nasceu em 1 de setembro de 1886, no Município de Capivari, interior do Estado de São Paulo. Filha do fazendeiro José Estanislau do Amaral e de Lydia Dias de Aguiar do Amaral, passou a infância nas fazendas de seu pai. Estudou em São Paulo, no Colégio Sion e depois em Barcelona, na Espanha, onde fez seu primeiro quadro, ‘Sagrado Coração de Jesus’, 1904.Faleceu no Rio de Janeiro em 1973


Tarsila do Amaral - Estudo de nu


ALMIRA REUTER
Nanuque Minas Gerais
Minha Guru
ALMIRA REUTER (1946) Almira Reuter de Miranda é mineira de Nanuque, radicada no Mato Grosso há mais de 35 anos. Autodidata, começou sua produção artística em 1988. Em 1989 participou do 21º Festival de Inverno, na Universidade Federal de Minas Gerais. Em 1990 participou do curso de Desenho de Observação, ministrado pelo professor Dr. João Spinelli da Unesp.Em sua trajetória artística há críticas de nomes representativos referentes ao seu trabalho, tais como Matilde Matos, Marília Beatriz e José Serafim Bertolotto. NASCIMENTO1946 - Nanuque - MGLOCAIS DE VIDAFORMAÇÃOAutodidata1990 - Participação no Curso de Desenho de Observação, ministrado pelo professor de Dr. João Spinelli.ATIVIDADES EM ARTES VISUAIS2000 - Projeto Prima Obra - FunarteEXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS1990 - Individual no Hotel Eldorado - Cuiabá - MT1990 - Individual na Biblioteca da Universidade Federal do Mato Grosso - Cuiabá - MT1991

Foto: Técnica-acrilica sob tela
Titulo-Nanuque
Tamanho-70x50
Artista-Ayreuter

 
ASSUNÇÃO GONÇALVES
Juazeiro do Norte -Ceará
Minha Professora
 Assunção Gonçalves, que está completando 95 anos de vida. Maria Assunção Gonçalves nasceu no dia 1 de junho de 1916, em Juazeiro do Norte. É uma das mais ilustres moradoras da cidade, e acompanhou de perto vários momentos históricos do município.

Pela sua produção artística no artesanato (bordado) e nas artes plásticas (pinturas de óleo sobre tela), d. Assunção recebeu da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (SECULT), no ano de 2007, o título de Tesouro Vivo da Cultura Cearense


O FORRÓ DO DR IDERVAL. VAI ESTOURAR NO SÃO JOÃO . A MUSICA DO DR IDERVAL REGINALDO TENÓRIO


A MUSICA DO DR IDERVAL REGINALDO TENÓRIO- AGORA A LETRA LOGO ABAIXO.

ESCUTEM A MUSICA DO DR IDERVAL

AMIGOS , ESTOU POSTANDO UMA MÚSICA QUE IRÁ FERVER NO SÃO JOÃO, É UMA RECEITA PARA CURAR A HIPERTENSÃO , BAIXAR O COLESTEROL E ARRANJAR UM XODÓ.

A MÚSICA É DO GRANDE COMPOSITOR BAIANO-
O IMORTAL ALDO SOUZA E CANTADO PELO MESTRE ISRAEL FILHO DE CARUARU, UM DOS MONSTROS DA MÚSICA NORDESTINA NA ATUALIDADE.

ESCUTEM, GRAVEM, CANTEM, DIVULGUEM E COMPARTILHEM.

OVERDOSE DE FORRÓ DE ALDO SOUZA COM ISRAEL FILHO.

COMENTEM NO BLOG.
Iderval Reginaldo Tenório


cliquem na musica abaixo, abre uma janela e à direita cliquem em Aldo Souza, está aí a Overdose de Forró.




Uma música de Aldo Souza/Israel Filho...simbora espalhar uma overdose de forró por esse Brasil a fora!!! Vambora na



Iderval Reginaldo Tenório







ALDO SOUZA O COMPOSITOR

Plebiscito

Conheçam e mergulhem nesta leitura.
 PEC. STF. SENADO E CÂMARA DOS DEPUTADOS, GILMAR, JOAQUIM, RENAN , HENRIQUE,   MICHEL, DILMA, PT, PMDB E O POVO.


sexta-feira, 26 de abril de 2013

Plebiscito

Adicionar legenda


           Tradicionalmente reconhecido como a forma mais democrática do poder ser exercido, está em discussão séria a votação popular de medidas tomadas pelo Supremo Tribunal Federal, quando declara ato julgado inconstitucional por seis dos seus membros.

            Os ministros Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes já se posicionaram frontalmente contra a medida legislativa, que é de autoria do deputado petista Nazareno Fontes (PI). A medida legislativa, ainda em tramitação, é a PEC 33/11.  PEC significa “Proposta de Emenda à Constituição.”

            Sem dúvida alguma o plebiscito é a medida mais democrática a ser tomada contra qualquer autoridade, e não apenas ao Judiciário.  O Legislativo e Executivo deveriam ser rigorosamente fiscalizados pelo povo; eles existem para servir, e não para serem servidos.  Qualquer autoridade, seja pessoal ou coletiva, não pode tomar nenhuma medida que seja contrária ao interesse das gentes.  É a regra fundamental da democracia.  O plebiscito é a arma do povo.

            Ora, dois ministros já se posicionaram contra.  Na realidade, provavelmente todos eles têm o mesmo entendimento.  A causa, não mencionada pelos ministros Barbosa e Mendes é uma só.  Eles sabem da ignorância política do povo brasileiro, que pode tornar o Supremo completamente ineficaz e submisso.

            O deputado que apresentou a PEC não fala em medidas tomadas pelo Congresso Nacional, ou pelo executivo.  Portanto, é parcial.  Parcial e suspeita. Basta seguir com os programas populistas e um resultado de plebiscito pode não ser legítimo.

            Plebiscito sim!  Mas a ser votado para analisar toda e qualquer autoridade. 

agem:  "A Liberdade Conduzindo o Povo",
 Eugène Delacroix, Museu do Louvre.
Publicado no Pravda de 29/04/2013 
Postado por às 

Jorge Sader Filho, é um grande advogado brasileiro, nascido no Rio de Janeiro,. Pensador , contista, cronista  , poeta e escritor.   Mantem um blog cultural e outro politico, é lido no mundo todo e tem contribuído para o engradecimento  desta nação. Por sua permissão estou me arvorando a publicar alguns dos seus artigos. Este é um deles, achei oportuno, pertinente e bastante esclarecedor. 

O BLOG 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

UNIVERSITARIA DE PROGRAMA-VEJAM A REPORTAGEM. Lola Benvenutti mantém blog em que relata experiências com seus clientes. Formada pela UFSCar em São Carlos, jovem tenta quebrar tabu sobre sexo. ESTUDOS MOSTRAM QUE ESTA CENA SE REPETE EM TODO O BRASIL NAS GRANDES E MÉDIAS CIDADES UNIVERSITÁRIAS.


Felipe TurioniDo G1 São Carlos
Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, se formou no curso de letras em São Carlos, SP (Foto: Felipe Turioni/G1)
Adicionar legenda
Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, se formou no curso de letras na UFSCar, em São Carlos, SP, mas optou por fazer carreira como garota de programa (Foto: Felipe Turioni/G1)
Ela tem 21 anos, é recém-formada em letras pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), exibe em tatuagens pelo corpo frases de Guimarães Rosa e Manuel Bandeira, adotou como pseudônimo um nome que faz referência a um personagem do escritor russo Vladimir Nabokov e assume, sem problemas, ser garota de programa. Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, mantém um blog em que escreve contos baseados nas experiências com seus clientes e chama a atenção ao tentar quebrar o tabu do sexo. “Sempre gostei de sexo, então tinha um desejo secreto de trabalhar com isso e não há nada mais justo, faço porque gosto”, afirmou em entrevista ao G1.
Lola Benvenutti mantém blog com histórias de seus clientes em São Carlos, SP (Foto: Felipe Turioni/G1)
Adicionar legenda
Lola Benvenutti mantém blog com histórias dos
clientes em São Carlos (Foto: Felipe Turioni/G1)
A realidade de Gabriela sempre foi diferente da vida de uma parcela das garotas de programa que são universitárias e optam por se prostituir para manter as despesas com os estudos. "Tem uma categoria nos sites de acompanhantes que são de universitárias e fazem isso porque fazem faculdade particular e precisam pagar, mas eu nunca precisei disso, sou inteligente, fiz faculdade, optei por isso, qual o problema?", questionou.
Natural de Pirassununga (SP), se mudou para São Carlos para fazer faculdade, mas por temer algum tipo de retaliação resolveu manter sua identidade como prostituta com discrição até concluir o curso. “Fiquei com um pouco de medo de isso reverberar de alguma forma na faculdade, então achei melhor terminar a graduação para colocar o blog no ar”, disse.

O site recebe cerca de duas mil visitas por dia e é nele que Lola posta sua rotina como prostituta. Entretanto, vê diferença entre sua história e o fenômeno Bruna Surfistinha, pseudônimo de Raquel Pacheco, ex-prostituta que fez fama na internet e teve sua história publicada em livro e roteirizada em um filme. “Ela teve uma vida diferente da minha, com outras oportunidades”, comentou.

Além de manter seus contos e servir como contato entre seus clientes, que chegam a cinco por dia, o blog serve também para levantar discussão sobre o prazer no sexo. “As pessoas são hipócritas, vivem de sexo, veem vídeo pornográfico, mas não falam porque têm vergonha. Um monte de mulher entra no blog e fala que adoraria fazer o que eu faço, mas não tem coragem; e dos homens escuto as confissões mais loucas e cada vez mais esse tabu do sexo é uma coisa besta”, avaliou.

Barreiras
Apesar da escolha em ser uma profissional do sexo, Gabriela não desistiu de seguir carreira acadêmica ou dar aulas após a conclusão do curso de letras. “Também quero dar aula, mas por hobby, e além disso também tem a questão financeira, porque dando aula hoje você quase não se sustenta”, analisou. “Acho que as duas coisas são difíceis de casar, é muito difícil que uma escola que sabe o que eu faço me permita trabalhar com eles, vou ter que derrubar barreiras”.

Ainda este ano, ela pretende se mudar para São Paulo, onde vai continuar trabalhando como garota de programa e acumulando um mestrado na Universidade de São Paulo (USP). “Cansei um pouco de São Carlos e agora quero outras coisas, tanto que o mestrado para o qual estou estudando é na USP, converso com alguns professores e quero pesquisar na área de prostituição ou fetiche”, considerou.

Esse tipo de assunto, segundo ela, já é seu objeto de estudo desde a adolescência. “Desde os 14 anos estudo o sadomasoquismo, que hoje está ficando mais popularizado com ajuda do livro ‘Cinquenta Tons de Cinza’, que é marginalizado para quem curte, mas abriu um leque para as pessoas que não conheciam”, explicou.
Lola Benvenutti, de São Carlos, diz que sua virgidade era um fardo (Foto: Reprodução/Lola Benvenutti)
Adicionar legenda
Lola Benvenutti considerava sua virgindade um
fardo (Foto: Reprodução/Lola Benvenutti)
Interesse pelo sexo
O interesse precoce por sexo começou com uma vontade íntima de deixar de ser virgem, o que considerava ser um ‘fardo’. “Desde os 11 anos queria me livrar desse fardo, mas perdi a virgindade com 13 anos e a primeira vez foi péssima, com um homem de 30 anos que conheci pela internet”, relembrou.
No início, Gabriela ficou em dúvida sobre o prazer causado pelo sexo.“Não fiquei confortável, fiquei um tempo sem fazer pensando em como era possível as pessoas falarem tanto disso, mas aí depois de um tempo eu fui gostando e a percepção mudou”, revelou.

Segundo Gabriela, nunca houve um episódio em sua vida que despertasse um interesse incomum para sexo. “Todo mundo fica me perguntando qual foi o fato que desencadeou isso, eu respondo que nada, meus pais foram ótimos, tive uma ótima educação, entrei na faculdade direto, fiz uma boa universidade e só”, garantiu.

Relação com a família
Como a personagem Tieta, da obra de Jorge Amado, Lola causa alvoroço quando retorna para sua cidade natal, mas a relação com a a família atualmente é estável. “Eu não vou muito pra lá, sinto que toda vez que vou, levanto uma poeira de discórdia e os vizinhos ficam comentando. Minha mãe já desconfiava porque nunca pedia dinheiro para ela e a relação foi muito mais difícil porque ela se importa muito com o que os outros dizem, mas a gente se fala”, disse.

Com o pai, militar da reserva, há uma relação de respeito e separação entre Gabriela e Lola. “Meu pai ficou seis meses sem falar comigo, eu achei que fosse pra vida toda, mas aí teve a minha formatura e ele veio. Na ocasião, disse que a filha dele era a Gabriela, não a outra, deixando bem claro que não compactua com isso. Mas ele ficou do meu lado e acho ele um herói porque não me abandonou”, confessou.
Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, se formou no curso de letras em São Carlos, SP (Foto: Felipe Turioni/G1)
Adicionar legenda
Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, se formou no curso de letras na UFScar (Foto: Felipe Turioni/G1)

O HOMEM DO SERTÃO E A SUA SOBREVIVÊNCIA



 
                                                                                   
       O HOMEM DO SERTÃO  E A SUA SOBREVIVÊNCIA    

               Seu Joaquim do alto dos seus 76 anos toma o caminho da capoeira de jequiri e xique-xique, guiado pelo latido de sua cadela,  chega esbaforido onde se encontra a cachorra Baleia, animal  de  latido forte, respiração ofegante e grunhido  estridente, fungava desgovernadamente,    do lado da cadela, duas de suas filhas, Piaba e Peixinha ,  abaixo do focinho certeiro da matriarca, um tatu peba  prestes a escapar, brigava ferozmente pela vida, esperneava desesperadamente, não estava ali para morrer de graça, três  contra um, era uma briga hercúlea. Uma briga desigual.

                  Baleia uma cadela anciã,  já muito cansada,  estava sem forças, Peixinha a caçula , uma cadela branca,  muito magra, preguiçosa,  mal tinha coragem para latir e quando latia, era um latido fino, curto, incompleto, um latido sem expressão, um latido sem identificação, sem força e sem coragem, Peixinha era a retratação fiel do insucesso,  o latir de Peixinha soava sem registro dos racionais ou dos  irracionais, Peixinha sempre teve  tudo nas mãos sem fazer esforço, era uma grande consumidora , na linguagem sertaneja, nascera sem faro, latia amiudado para tudo e para todos, no primeiro grito que levava, botava o rabo entre as pernas, baixava o pescoço, se transformava num pacote e saia sorrateiramente medindo os passos, apesar de nova, dormia muito . Piaba a sua irmã mais velha,  não, era uma  cadela musculosa, dentes afiados, pontiagudos, amolados  , língua grande e molhada, olhar fixo, pele sem defeito, focinho preto, patas largas, rabo comprido, branco com rajas  laranja,  o seu latido era forte, era o latido de uma guerreira, o latido que até os grandes cachorros da redondeza  respeitavam, o seu latido era conhecido até pelos amigos de seu Joaquim, onde Piaba latisse, estava garantido a caçada.  Tem mais, Piaba tinha a inteligência aguçada, nunca se deitava dentro de casa, sempre  no oitão  dos fundos ou da frente da morada do seu dono, pouco latia, apenas observa ao seu redor, os olhos entre abertos e as narinas dilatadas, sempre de prontidão. No mato quando saia para caçar, deixava o patrão junto à fogueira e de orelhas atentas, narinas abertas sempre a sondar o ambiente por todos os lados, qualquer balançar de um arbusto, estava lá Piaba a averiguar, com relação à presa,  primeiro deixava a caça cansar, exauridas  as forças, Baleia  aplicava o golpe final, o animal era sacrificado.

                   Foi assim que ela se comportou diante de sua mãe no encalço do tatu peba, a caça  não media esforço para escapar das garras da velha cadela, disputava com a senil a loteria da vida, todo o esforço é pouco para conquistar a ameaçada vida.   

                    Peixinha, a magrela,  latia para dentro, latia com medo, latia por latir,  Baleia exausta, ofegante, coração a mais de  mil   estava  entregando os pontos , diante da cena, diante dos fatos e da luta,  a cachorra Piaba tomou a dianteira, o tatu peba desorientado, cansado e acuado estava prestes a entrar na toca, e uma vez  lá dentro, só sai quando se sente seguro, muitas vezes a toca tem duas bocas, ele entra por uma e sai pela outra e deixa os caninos a latir, a fuçar, a farejar a boca de entrada até desistirem, na maioria das vezes só vira comida se o caçador cavar à sua procura, a cachorra Piaba sabe muito bem destes detalhes, nasceu vendo a sua mãe a caçar. A nova líder não titubeou , ficou frente a frente com a caça, mirou a sua cabeça, fixou as patas trazeiras no banco de areia vermelha e fincou as presas no abatido tatu peba, foi a gloria de seu Joaquim, foi o golpe final , mais uma etapa no ciclo da sobrevivência, ciclo da lida diária dos seres vivos, sejam homens ou animais, que fazem de tudo para  escapar da fome e permanecerem vivos   nos  esquecidos e abandonados sertões do Nordeste.

               Os irracionais brigam entre si pela sobrevivência , os maiores eliminam os menores , lutam pela bóia diária, mas não contribuem para o desequilíbrio da natureza, os  homens em busca do pão de cada dia, abandonados pelos poderes dos poderosos , sem uma sustentação econômica,  lutam entre si e contra os animais, muitos em processo acelerado de extinção e  que deveriam ser preservados. Os capiaus  inocentementes com as suas peixeiras, enxadas e foices nas mãos propiciam uma  ferrenha devastação da fauna, dos fósseis e da flora regional , numa luta desigual e desumana  num  salve-se quem poder, lutam contra os animais, entre si e contra a natureza.  

              Neste dia seu Joaquim, a sua esposa e os seus dois filhos tiveram  carne para comer. Foi assim por muitos anos a vida do Nordestino nato que conheci e convivi, do nordestino  da Caatinga, das mãos grossas, da voz gutural, da tez esturricada, dos dentes falhos, de pensamento curto e de mente limitada, nordestino do cangaço, dos currais e da subserviência, foi assim por muitos anos a vida desta raça forte, trabalhadora e eternamente abandonada. Salve-se quem puder. Foi e continua sendo o lema do árido Nordeste, regado pelos trovões da desinformação e da inexistência das chuvas de  cidadania .

Iderval Reginaldo Tenório

domingo, 28 de abril de 2013

Dalinha Catunda - MONTADA NO CAVALO DO CÃO

Dalinha Catunda - MONTADA NO CAVALO DO CÃO



PARA: @[1759676742:2048:Renato Casimiro], @[100000547376763:2048:Lu Bezerra], @[760944472:2048:Celia Morais], @[100002776116881:2048:Franci Timótio], @[100000310302137:2048:Marconi Landim], @[100001071002320:2048:Jose Irlando Sampaio Morais]
MONTADA NO CAVALO DO CÃO
.
Resolvi dar umas voltas
Pras bandas do meu sertão
Por falta de um bom cavalo
Fui no cavalo do cão
O bicho era tão ligeiro
E com seu jeito lampeiro
Quase me jogou no chão.
*
Eu vi um cachorro d’água
Com seu jeitinho apressado
Ele tentava fugir
Do negro cavalo alado
O cachorrinho com medo
Acabou ganhando o bredo
Pra não ser atropelado.
*
Um rola-bosta errante
Atravessou meu caminho
Avistando a montaria
Foi saindo de mansinho
Bem pertinho d’uma cuia
Ele encontrou uma tuia
E enfiou o seu focinho.
*
O cavalo em disparada,
Arrumava confusão
Esbarrou num Mané magro
Vejam que situação
Só de ver o Bicho-pau
Nas garras dum inseto mau
Sofreu o meu coração.
*
Eu vi a Tiranaboia,
Besouro bem afamado
Para evitar desavenças
Tirando o corpo de lado,
Sem querer ficar aqui
Se mandou pro Piauí
Temendo o endiabrado.
*
O pobre do caga-fogo
Que brilhava noite e dia
Apagou sua lanterna
Que quase sempre luzia
Com medo do furacão
O tal Cavalo do cão
Que comigo se exibia.
*
Eu agradeci a Deus
Quando o dia amanheceu
Estava toda suada
Com tudo que aconteceu
Pois esta minha aventura
Não foi surto de loucura!
Foi somente um sonho meu.
*
Texto: Dalinha Catunda
Adicionar legenda
Amigos do blog cultural, só quem tem coração e viveu estes fatos, pode entender o que a mestra Dalinha Catunda expôs .
A poetisa laça pelo focinho um Cavalo do Cão e viaja pelo Nordeste , visita todos os recantos da caatiga e faz o leitor viver e reviver a querida infância.
Dalinha, não foi um sonho, a usa exposição foi uma sequência de fatos reais na vida de cada um de nós do Ceará. Parabéns pela bela página e conte com este seu amigo.
Iderval Reginaldo Tenóorio

PARA: @[1759676742:2048:Renato Casimiro], @[100000547376763:2048:Lu Bezerra], @[760944472:2048:Celia Morais], @[100002776116881:2048:Franci Timótio], @[100000310302137:2048:Marconi Landim], @[100001071002320:2048:Jose Irlando Sampaio Morais]
MONTADA NO CAVALO DO CÃO
.
Resolvi dar umas voltas
Pras bandas do meu sertão
Por falta de um bom cavalo
Fui no cavalo do cão
O bicho era tão ligeiro
E com seu jeito lampeiro
Quase me jogou no chão.
*
Eu vi um cachorro d’água
Com seu jeitinho apressado
Ele tentava fugir
Do negro cavalo alado
O cachorrinho com medo
Acabou ganhando o bredo
Pra não ser atropelado.
*
Um rola-bosta errante
Atravessou meu caminho
Avistando a montaria
Foi saindo de mansinho
Bem pertinho d’uma cuia
Ele encontrou uma tuia
E enfiou o seu focinho.
*
O cavalo em disparada,
Arrumava confusão
Esbarrou num Mané magro
Vejam que situação
Só de ver o Bicho-pau
Nas garras dum inseto mau
Sofreu o meu coração.
*
Eu vi a Tiranaboia,
Besouro bem afamado
Para evitar desavenças
Tirando o corpo de lado,
Sem querer ficar aqui
Se mandou pro Piauí
Temendo o endiabrado.
*
O pobre do caga-fogo
Que brilhava noite e dia
Apagou sua lanterna
Que quase sempre luzia
Com medo do furacão
O tal Cavalo do cão
Que comigo se exibia.
*
Eu agradeci a Deus
Quando o dia amanheceu
Estava toda suada
Com tudo que aconteceu
Pois esta minha aventura
Não foi surto de loucura!
Foi somente um sonho meu.
*
Texto: Dalinha Catunda
Adicionar legenda
MONTADA NO CAVALO DO CÃO
.
Resolvi dar umas voltas
Pras bandas do meu sertão
... Por falta de um bom cavalo
Fui no cavalo do cão
O bicho era tão ligeiro
E com seu jeito lampeiro
Quase me jogou no chão.
*
Eu vi um cachorro d’água
Com seu jeitinho apressado
Ele tentava fugir
Do negro cavalo alado
O cachorrinho com medo
Acabou ganhando o bredo
Pra não ser atropelado.
*
Um rola-bosta errante
Atravessou meu caminho
Avistando a montaria
Foi saindo de mansinho
Bem pertinho d’uma cuia
Ele encontrou uma tuia
E enfiou o seu focinho.
*
O cavalo em disparada,
Arrumava confusão
Esbarrou num Mané magro
Vejam que situação
Só de ver o Bicho-pau
Nas garras dum inseto mau
Sofreu o meu coração.
*
Eu vi a Tiranaboia,
Besouro bem afamado
Para evitar desavenças
Tirando o corpo de lado,
Sem querer ficar aqui
Se mandou pro Piauí
Temendo o endiabrado.
*
O pobre do caga-fogo
Que brilhava noite e dia
Apagou sua lanterna
Que quase sempre luzia
Com medo do furacão
O tal Cavalo do cão
Que comigo se exibia.
*
Eu agradeci a Deus
Quando o dia amanheceu
Estava toda suada
Com tudo que aconteceu
Pois esta minha aventura
Não foi surto de loucura!
Foi somente um sonho meu.
*
Texto: Dalinha Catunda


Dalinha Catunda

Maria de Lourdes Aragão Catunda, mais conhecida como Dalinha Catunda é uma cordelista natural de Ipueiras, Ceará. Dalinha ocupa a cadeira número 25 da ABLC que tem como patrono Juvenal Galeno. Possui vários folhetos publicados com temáticas de cunho social e sua vivência em sua terra natal; além disso, possui dois blogs, o Cantinho da Dalinha e o Cordel de Saia, que divide com a também cordelista e pesquisadora Maria do Rosário. Além disso, faz recitais, escreve no jornal Gazeta de Notícias do Vale do Cariri no sul do Ceará e é membro correspondente da AILCA - Academia Ipuense de Letras, Ciências e artes.

Abaixo um trecho do cordel “Filha do Nordeste” de autoria da Dalinha:

Sou Dalinha, sou da lida.
Sou cria do meu Sertão.
Devota de São Francisco
E de Padre Cícero Romão. (...)

O prestígio de Dalinha dentro do universo do cordel é tão grande que ela foi homenageada pela Academia dos Cordelistas do Crato - ACC, ocasião em que ganhou da cordelista Josenir Lacerda um cordel contando sua trajetória dentro desse universo.



Dalinha vem fazendo a diferença dentro do campo da literatura de cordel sem "levantar bandeiras" e nem brigar com ninguém. Ela tem grande importância tanto para os acadêmicos, que a procuram para suas pesquisas, quanto para os cordelistas, já que ela reinventou maneiras de fazer pelejas e cordéis através de seus blogs, e tudo por conta de seu amor por essa literatura.

Referências:
Cantinho da Dalinha - http://cantinhodadalinha.blogspot.com.br/
Cordel de Saia - http://cordeldesaia.blogspot.com.br/
Dallinha na Gazeta de Notícias - http://cantinhodadalinha.blogspot.com.br/2012/09/cantinho-da-poesia-no-gazeta-de-noticias.html







CLIQUEM E ESCUTEM A MUSICA - UM FORRÓ DOS MELHORES.
OVERDOSE DE FORRÓ. SE GOSTAR EU CEGUE.

PT pressiona Dilma a romper com Eduardo Campos

PT pressiona Dilma a romper com Eduardo Campos

A presidente Dilma Rousseff recebe pressão de integrantes da cúpula do PT para declarar rompimento com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e seus aliados
ROBERTO STUCKERT FILHO/PR
Dilma Roussef e Eduardo Campos: os petistas que defendem rompimento querem maior liberdade para tratá-lo como adversário
 

Integrantes da cúpula do PT estão pressionando a presidente Dilma Rousseff para declarar seu divórcio do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que ameaça romper com o governo para desafiá-la nas eleições de 2014.

O objetivo é afastar o que os petistas veem como um aliado ambíguo, que passou a criticar o governo publicamente de forma metódica sem abrir mão dos cargos que tem na administração federal.

No PT, os que defendem o expurgo de Campos e seus aliados argumentam que assim teriam maior liberdade para tratá-lo como adversário, revidar seus ataques e expor as suas fragilidades.

Além disso, os petistas querem os cargos que ele controla na máquina para contemplar outros partidos da base insatisfeitos com o espaço que têm no governo. Avaliam ser melhor entregá-los a siglas comprometidas com o apoio à reeleição de Dilma.

O PSB controla atualmente o Ministério da Integração Nacional, a Secretaria Especial de Portos e a Chesf (Companhia Hidrelétrica do São Francisco), uma das maiores estatais do setor elétrico.

O PP, que apoia Dilma e tem o Ministério das Cidades, já deixou claro que gostaria de assumir também a Integração Nacional, hoje nas mãos de Fernando Bezerra, indicado por Campos.

Bezerra defende a reeleição de Dilma. Políticos de Pernambuco apostam que ele trocará o PSB pelo PT para disputar o governo do Estado com o apoio da presidente. Ele nega que esteja de mudança de partido.

Dilma não respondeu a nenhuma das críticas mais duras que Campos fez contra sua gestão, embora as tenha considerado acima do tom. Na semana passada, ele usou o programa de rádio e TV do PSB para dizer que o partido tem melhores condições de fazer o Brasil avançar.

A presidente hesita em ceder às pressões do PT para endurecer com Campos, porque teme transformá-lo em vítima. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seu principal conselheiro, concorda.

No início de abril, num encontro reservado com a sucessora, ele disse ainda considerar possível que Campos simplesmente desista de concorrer à Presidência em 2014.

Exatamente por isso, Lula tem adiado um encontro com o governador. Quer lhe dar tempo para rever seu projeto.

Grandes Nomes Paraibanos na Unidade Acadêmica de Arte e Mídia da UFGC

Quando falo na Paraíba , sempre digo. Oh que Paraiba macha, Paraiba de grandes homens, de grandes mulheres, Paraiba deste Brasil do meu Deus.  Viva a Paraiba e os seus filhos de todos os tempos.
Paraibanos, se orgulhem deste torrão abençoado por Deus.
Iderval Reginaldo Tenório


Grandes Nomes Paraibanos na Unidade Acadêmica de Arte e Mídia da UFGC
Nomes como Ariano Suassuna, Assis Chateaubriand, Celso Furtado, Augusto dos Anjos, José Américo, Leandro Gomes de Barros, Marinês, Pedro Américo, Sivuca, Zé Limeira, José Lins do Rego, dentre outros nomes podem ser encontrados na Unidade Acadêmica de Arte e Mídia da UFCG através da exposição "Paraíba Grandes Nomes: A Xilogravura e o Cordel, Apresentando Importantes Personalidades do Estado" até amanhã, quarta-feira (18).

A exposição mostra através de 30 banners a vida e a obra de nomes paraibanos que fizeram história e destacaram no campo da poesia, da literatura, da música, da política, das artes plásticas dentre outras.

As personalidades são apresentadas através estrofes rimadas do poeta cordelista Manoel Monteiro (coordenador do projeto) e ilustrados por xilogravuras artista plástico-gravador Josafá de Orós, que retratam o semblante de cada personalidade. Ambos são identificados pelos talentos e pela qualidade de suas obras, conhecidas na Paraíba no Brasil e no exterior.

O projeto tem o financiamento do Fundo de Incentivo a Cultura Augusto dos Anjos, da empresa de telefonia Oi e o apoio da Oi Futuro. Dentre os seus objetivos o projeto visa possibilitar que cerca de 10 mil pessoas entre alunos, professores e funcionários de escolas, instituições culturais e artísticas do Estado e a população como um todo conheçam nomes e obras de personagens importantes de nossa história através da realização de exposições em alguns municípios paraibanos.

A exposição que é itinerante estará na quinta-feira (19) e sexta-feira (20) no Centro de Educação e Saúde da UFCG (Campus Cuité).
As personalidades são apresentadas através estrofes rimadas do poeta cordelista Manoel Monteiro (coordenador do projeto) e ilustrados por xilogravuras artista plástico-gravador Josafá de Orós, que retratam o semblante de cada personalidade. Ambos são identificados pelos talentos e pela qualidade de suas obras, conhecidas na Paraíba no Brasil e no exterior.

Na exposição o visitante poderá conhecer um pouco sobre Aluízio Campos, Antônio Dias, Ariano Suassuna, Argemiro de Figueiredo, Ascendino Leite, Assis Chateaubriand, Félix Araújo, Celso Furtado, João Pedro Teixeira, Augusto dos Anjos, José Américo, Leandro Gomes de Barros, Manoel Camilo dos Santos, Marinês, Padre Ibiapina, Padre Inácio Rolim, Paulo Pontes, Pedro Américo, Pinto do Monteiro, Raimundo Asfora, Ritinha Suassuna, Sivuca, Zé Limeira, José Lins do Rego, Geraldo Vandré, José Joffily, Maestro José Siqueira, Severino Cabral, Tomaz Santa Rosa e Virgínius da Gama e Melo. Cada exposição está sendo acompanhada de palestras temáticas que enfocam a importância destes nomes para a Paraíba e suas contribuições para o memorialismo, a história, a cultura, as artes etc.






CAMPINA GRANDE- PARAIBA


Açude Velho, vista ao entardecer. Campina Grande Pb.
Adicionar legenda

Conheçam esta bela cidade.
Campina Grande, a cidade de interior com vontade de ser 'gente grande', se orgulha de seus títulos. Com 400 mil habitantes, é considerada uma das maiores do interior nordestino e um dos polos tecnológicos mais importantes da América Latina; já foi a segunda principal exportadora de algodão em todo o mundo - em uma época em que esse produto era o ouro branco da região; e se autoproclama dona do 'Maior São João do Mundo', esse, sim, o grande (e indiscutível) orgulho desse destino a apenas 120 km de João Pessoa, capital da Paraíba.
Foto


OVERDOSE ..
soundcloud.com
Uma música de Aldo Souza/Israel Filho...simbora espalhar uma overdose de forró por esse Brasil a fora!!! Vambora nação NORDESTINA!!
 
 
 

Dalinha Catunda - MONTADA NO CAVALO DO CÃO




PARA: @[1759676742:2048:Renato Casimiro], @[100000547376763:2048:Lu Bezerra], @[760944472:2048:Celia Morais], @[100002776116881:2048:Franci Timótio], @[100000310302137:2048:Marconi Landim], @[100001071002320:2048:Jose Irlando Sampaio Morais]
MONTADA NO CAVALO DO CÃO
.
Resolvi dar umas voltas
Pras bandas do meu sertão
Por falta de um bom cavalo
Fui no cavalo do cão
O bicho era tão ligeiro
E com seu jeito lampeiro
Quase me jogou no chão.
*
Eu vi um cachorro d’água
Com seu jeitinho apressado
Ele tentava fugir
Do negro cavalo alado
O cachorrinho com medo
Acabou ganhando o bredo
Pra não ser atropelado.
*
Um rola-bosta errante
Atravessou meu caminho
Avistando a montaria
Foi saindo de mansinho
Bem pertinho d’uma cuia
Ele encontrou uma tuia
E enfiou o seu focinho.
*
O cavalo em disparada,
Arrumava confusão
Esbarrou num Mané magro
Vejam que situação
Só de ver o Bicho-pau
Nas garras dum inseto mau
Sofreu o meu coração.
*
Eu vi a Tiranaboia,
Besouro bem afamado
Para evitar desavenças
Tirando o corpo de lado,
Sem querer ficar aqui
Se mandou pro Piauí
Temendo o endiabrado.
*
O pobre do caga-fogo
Que brilhava noite e dia
Apagou sua lanterna
Que quase sempre luzia
Com medo do furacão
O tal Cavalo do cão
Que comigo se exibia.
*
Eu agradeci a Deus
Quando o dia amanheceu
Estava toda suada
Com tudo que aconteceu
Pois esta minha aventura
Não foi surto de loucura!
Foi somente um sonho meu.
*
Texto: Dalinha Catunda
Adicionar legenda
Amigos do blog cultural, só quem tem coração e viveu estes fatos, pode entender o que a mestra Dalinha Catunda expôs . 
A poetisa laça pelo focinho um  Cavalo do Cão e viaja  pelo Nordeste , visita todos os recantos da caatiga e faz o leitor viver e reviver a querida infância.
 Dalinha, não foi um sonho, a usa exposição foi uma sequência de fatos reais na vida de cada um de nós do Ceará. Parabéns pela bela página e conte com este seu amigo.
Iderval Reginaldo Tenóorio

PARA: @[1759676742:2048:Renato Casimiro], @[100000547376763:2048:Lu Bezerra], @[760944472:2048:Celia Morais], @[100002776116881:2048:Franci Timótio], @[100000310302137:2048:Marconi Landim], @[100001071002320:2048:Jose Irlando Sampaio Morais]
MONTADA NO CAVALO DO CÃO
.
Resolvi dar umas voltas
Pras bandas do meu sertão
Por falta de um bom cavalo
Fui no cavalo do cão
O bicho era tão ligeiro
E com seu jeito lampeiro
Quase me jogou no chão.
*
Eu vi um cachorro d’água
Com seu jeitinho apressado
Ele tentava fugir
Do negro cavalo alado
O cachorrinho com medo
Acabou ganhando o bredo
Pra não ser atropelado.
*
Um rola-bosta errante
Atravessou meu caminho
Avistando a montaria
Foi saindo de mansinho
Bem pertinho d’uma cuia
Ele encontrou uma tuia
E enfiou o seu focinho.
*
O cavalo em disparada,
Arrumava confusão
Esbarrou num Mané magro
Vejam que situação
Só de ver o Bicho-pau
Nas garras dum inseto mau
Sofreu o meu coração.
*
Eu vi a Tiranaboia,
Besouro bem afamado
Para evitar desavenças
Tirando o corpo de lado,
Sem querer ficar aqui
Se mandou pro Piauí
Temendo o endiabrado.
*
O pobre do caga-fogo
Que brilhava noite e dia
Apagou sua lanterna
Que quase sempre luzia
Com medo do furacão
O tal Cavalo do cão
Que comigo se exibia.
*
Eu agradeci a Deus
Quando o dia amanheceu
Estava toda suada
Com tudo que aconteceu
Pois esta minha aventura
Não foi surto de loucura!
Foi somente um sonho meu.
*
Texto: Dalinha Catunda
Adicionar legenda
MONTADA NO CAVALO DO CÃO
.
Resolvi dar umas voltas
Pras bandas do meu sertão
... Por falta de um bom cavalo
Fui no cavalo do cão
O bicho era tão ligeiro
E com seu jeito lampeiro
Quase me jogou no chão.
*
Eu vi um cachorro d’água
Com seu jeitinho apressado
Ele tentava fugir
Do negro cavalo alado
O cachorrinho com medo
Acabou ganhando o bredo
Pra não ser atropelado.
*
Um rola-bosta errante
Atravessou meu caminho
Avistando a montaria
Foi saindo de mansinho
Bem pertinho d’uma cuia
Ele encontrou uma tuia
E enfiou o seu focinho.
*
O cavalo em disparada,
Arrumava confusão
Esbarrou num Mané magro
Vejam que situação
Só de ver o Bicho-pau
Nas garras dum inseto mau
Sofreu o meu coração.
*
Eu vi a Tiranaboia,
Besouro bem afamado
Para evitar desavenças
Tirando o corpo de lado,
Sem querer ficar aqui
Se mandou pro Piauí
Temendo o endiabrado.
*
O pobre do caga-fogo
Que brilhava noite e dia
Apagou sua lanterna
Que quase sempre luzia
Com medo do furacão
O tal Cavalo do cão
Que comigo se exibia.
*
Eu agradeci a Deus
Quando o dia amanheceu
Estava toda suada
Com tudo que aconteceu
Pois esta minha aventura
Não foi surto de loucura!
Foi somente um sonho meu.
*
Texto: Dalinha Catunda


Dalinha Catunda

Maria de Lourdes Aragão Catunda, mais conhecida como Dalinha Catunda é uma cordelista natural de Ipueiras, Ceará. Dalinha ocupa a cadeira número 25 da ABLC que tem como patrono Juvenal Galeno. Possui vários folhetos publicados com temáticas de cunho social e sua vivência em sua terra natal; além disso, possui dois blogs, o Cantinho da Dalinha e o Cordel de Saia, que divide com a também cordelista e pesquisadora Maria do Rosário. Além disso, faz recitais, escreve no jornal Gazeta de Notícias do Vale do Cariri no sul do Ceará e é membro correspondente da AILCA - Academia Ipuense de Letras, Ciências e artes.

Abaixo um trecho do cordel “Filha do Nordeste” de autoria da Dalinha:

Sou Dalinha, sou da lida.
Sou cria do meu Sertão.
Devota de São Francisco
E de Padre Cícero Romão. (...)

O prestígio de Dalinha dentro do universo do cordel é tão grande que ela foi homenageada pela Academia dos Cordelistas do Crato - ACC, ocasião em que ganhou da cordelista Josenir Lacerda um cordel contando sua trajetória dentro desse universo.



Dalinha vem fazendo a diferença dentro do campo da literatura de cordel sem "levantar bandeiras" e nem brigar com ninguém. Ela tem grande importância tanto para os acadêmicos, que a procuram para suas pesquisas, quanto para os cordelistas, já que ela reinventou maneiras de fazer pelejas e cordéis através de seus blogs, e tudo por conta de seu amor por essa literatura.

Referências:
Cantinho da Dalinha - http://cantinhodadalinha.blogspot.com.br/
Cordel de Saia - http://cordeldesaia.blogspot.com.br/
Dallinha na Gazeta de Notícias - http://cantinhodadalinha.blogspot.com.br/2012/09/cantinho-da-poesia-no-gazeta-de-noticias.html

                                                                        





CLIQUEM E ESCUTEM A MUSICA - UM FORRÓ DOS MELHORES.
OVERDOSE DE FORRÓ.     SE GOSTAR EU CEGUE.