domingo, 29 de junho de 2014

Eleições BRASIL 2014




Adicionar legenda



Eleições BRASIL 2014

Todos os políticos saem ganhando, só quem perde é o povo.
Amigos brasileiros,  outubro se aproxima e os nomes a serem  escolhidos para concorrerem a cargos eletivos já foram definidos. O que se seguirá a partir desta data é uma ferrenha peleja entre diversos  grupos esfacelados , grupos nos quais os seus componentes   caminhavam juntos e por interesses pessoais implodiram em diversas facções , farelos para um lado e farelos para o outro, fragmentos sem ideologias políticas , sem um programa de construção para o bem da cidadania ou de amor à Pátria.
Na corrida pelo poder,  os cacos sacudidos para cima foram se arrumando num quebra cabeça jamais admissível , inimigos ferrenhos em eleições passadas hoje se beijam, se abraçam e se afagam como verdadeiros irmãos, como verdadeiros amantes proporcionando ao país a opereta,  O SAMBA DO CRIOULO DOIDO. Ninguém com o mínimo de sanidade mental entenderá este heterogêneo  jogo político em busca  do  poder; na mesma jaula, no mesmo cercado , no mesmo pasto se misturam carnívoros com vegetarianos, presas e predadores, tudo pelo poder.
A briga terá seu inicio logo após a Copa do mundo 2014, um grupo se apoderará da pobreza e com esta bandeira fará de tudo para colocar frente a frente e  em lados opostos  os diferentes trabalhadores brasileiros;  de um lado os trabalhadores liberais, os pequenos empresários, a classe média média , que nela chegou depois de  anos e anos de luta, anos  de estudo e muito suor, hoje classificada como a elite do país por um determinado grupo, do outro lado a classe média emergente, os trabalhadores filiados ao  partido dos trabalhadores, os beneficiados pelos  programas sociais e uma facção  oriunda de todas as  classes  que enricou ao entrar na vida  política pela força dos trabalhadores de todos os níveis sociais, inclusive esta mesma classe média,  hoje cognominada de elite pelos que estão  poder.
Segundo os detentores do poder, será o embate dos ricos contra os pobres, dos feios contra os bonitos, dos coronéis contra os vassalos,  dos burgueses contra os empregados,  quando na verdade esta manobra é simplesmente uma propriedade que possui a ciência política para polarizar e acirrar o preconceito, para aflorar  a raiva e o espírito de corpo que existe numa sociedade plural e democrática, não existem dúvidas que esta eleição será acirrada, será agressiva , eivada de rancor e  de  raiva , tudo será feito para jogar uma parte da  população brasileira contra a outra,  com esta tarefa conquistada ficará o povo brasileiro cada dia mais fraco e distante da sonhada liberdade.
O Brasil não está bem, não caminha bem e nem raciocina bem . O grupo que está no poder  para continuar tem que mudar, precisa mudar, é importante que mude, caso contrário será substituído.  O povo está perdido, o povo está voando, o povo não sabe em quem votar, mas tem a absoluta certeza que,  a alternância do poder é a mais democrática atitude de um povo livre, de um povo dono da sua maior arma: O VOTO, basta utilizá-lo conscientemente.
Iderval Reginaldo Tenório


NÃO DEIXEM DE OUVIR E DE COMPARTILHAR A MUSICA DO ISRAEL FILHO, UM GRANDE SUCESSO 







  • Israel Filho - Ficha Limpa. O Xote - YouTube

    www.youtube.com/watch?v=0zYxLLcj9AM
    03/09/2010 - Vídeo enviado por portaldaradio
    estamos apenas alertando o povo brasileiro. nosso único objetivo é a conscientização do valor ético de um

  • Ficha Limpa, o Xote, por Israel Filho - Sr. Brasil 08/12/2012 ...


    www.youtube.com/watch?v=IpouHg8mu0k
    14/12/2012 - Vídeo enviado por TV Cultura
    Israel Filho (Caruaru - PE) canta "Ficha Limpa, o Xote" (Israel Filho). Músicos acompanhantes ...


  • No caminho com Maiakóvski de Eduardo Alves Costa


    No caminho com Maiakóvski de Eduardo Alves Costa
    Vladimir Maiakovski (1893-1930)
    Este poema todas as vezes que é recitado diz o recitador :de Maiakóvski quando  na verdade é de um brasileiro chamado:



     Eduardo Alves Costa.

    Estou fazendo este comentário porque nestes meus 60 anos de vida e 45 de militância nunca um palestrante ou quem faz uso da palavra atribui a um brasileiro este belo poema, sempre dão como pai do garoto um Russo, só por ser Russo e por sermos tupiniquins.
    O Poema é de um brasileiro e merece todos os seus louros.

    Iderval Reginaldo Tenório

    Eduardo Alves da Costa é um poeta e dramaturgo carioca e está vivo. Vladimir Maiakovski foi um poeta russo, panfletário, que morreu em 1930. Um mal entendido liga estes dois seres humanos há quase 40 anos. Eduardo escreveu um poema, na década de 60, que se transformou em um hino na luta contra a ditadura militar, no Brasil. Chama-se “No Caminho, com Maiakóviski”. Eis o trecho mais conhecido:Costa graduou-se no curso de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie em 1952.[2] Organizou, em 1960, noTeatro de Arena, em São Paulo, uma das mais instigantes atividades culturais do período, as Noites de Poesia, em que eram divulgadas as obras de jovens poetas.[1] Participou do movimentoOs Novíssimos, da Massao Ohno, em 1962
     


                  O BLO0G É CULTURAL



      


    No caminho com Maiakóvski 

    Eduardo Alves Costa.
    "NO CAMINHO COM MAIAKÓVSKI
    Assim como a criança
    humildemente afaga
    a imagem do herói,
    assim me aproximo de ti, Maiakóvski.
    Não importa o que me possa acontecer
    por andar ombro a ombro
    com um poeta soviético.
    Lendo teus versos,
    aprendi a ter coragem.

    Tu sabes,
    conheces melhor do que eu
    a velha história.



    CONTINUA O EDUARDO COSTA 


    Na primeira noite eles se aproximam
    e roubam uma flor
    do nosso jardim.
    E não dizemos nada.

    Na segunda noite,

    já não se escondem;
    pisam as flores,
    matam nosso cão,
    e não dizemos nada.
    Até que um dia,
    o mais frágil deles
    entra sozinho em nossa casa,
    rouba-nos a luz, e,
    conhecendo nosso medo,
    arranca-nos a voz da garganta.
    E já não podemos dizer nada.
    Nos dias que correm
    a ninguém é dado
    repousar a cabeça
    alheia ao terror.
    Os humildes baixam a cerviz;
    e nós, que não temos pacto algum
    com os senhores do mundo,
    por temor nos calamos.

    No silêncio de meu quarto
    a ousadia me afogueia as faces
    e eu fantasio um levante;
    mas amanhã,diante do juiz,
    talvez meus lábios
    calem a verdade
    como um foco de germes
    capaz de me destruir.

    Olho ao redor e o que vejo
    e acabo por repetir não mentiras.
    Mal sabe a criança dizer mãe
    e a propaganda lhe destrói a consciência.

    A mim, quase me arrastam
    pela gola do paletó
    à porta do templo
    e me pedem que aguarde
    até que a Democracia
    se digne a aparecer no balcão.

    Mas eu sei,
    porque não estou amedrontado
    a ponto de cegar, que ela tem uma espada a lhe espetar as costelas
    e o riso que nos mostra
    é uma tênue cortina
    lançada sobre os arsenais
    Vamos ao campo
    e não os vemos ao nosso lado,
    no plantio.
    Mas ao tempo da colheita
    lá estão
    e acabam por nos roubar
    até o último grão de trigo.

    Dizem-nos que de nós emana o poder
    mas sempre o temos contra nós.
    Dizem-nos que é preciso
    defender nossos lares
    mas se nos rebelamos contra a opressão
    é sobre nós que marcham os soldados.
    E por temor eu me calo,
    por temor aceito a condição
    de falso democrata
    e rotulo meus gestos
    com a palavra liberdade,
    procurando, num sorriso,
    esconder minha dor
    diante de meus superiores.
    Mas dentro de mim,
    com a potência de um milhão de vozes,o coração grita
    - MENTIRA!
    ACESSEM O BLOG 


    http://www.iderval.blogspot.com

    Mesmo que já estejamos em contexto bem diferente daquele em que foi composto, vale a pena passear pelos versos e mensagem ainda muito atuais. 
                        Iderval Reginaldo Tenório




  • Belchior - Populus - YouTube

    www.youtube.com/watch?v=1XsheARH2-M

    17/10/2012 - Vídeo enviado por Marcos Pessoa
    Belchior - Populus CORAÇÃO SELVAGEM De Belchior "Populus,meu cão... O escravo, indiferente ...
  • Tudo Outra Vez - Belchior - YouTube

    www.youtube.com/watch?v=xXoOHwllx7U

    05/06/2011 - Vídeo enviado por Naucruz
    Meu cachorro ligeiro. Sertão, olha o Concorde Que vem vindo do estrangeiro. O fim do termo "saudade .
  • No caminho com Maiakóvski de Eduardo Alves Costa

    No caminho com Maiakóvski de Eduardo Alves Costa
    Vladimir Maiakovski (1893-1930)
    Este poema todas as vezes que é recitado diz o recitador :de Maiakóvski quando  na verdade é de um brasileiro chamado:


     Eduardo Alves Costa.

    Estou fazendo este comentário porque nestes meus 60 anos de vida e 45 de militância nunca um palestrante ou quem faz uso da palavra atribui a um brasileiro este belo poema, sempre dão como pai do garoto um Russo, só por ser Russo e por sermos tupiniquins.
    O Poema é de um brasileiro e merece todos os seus louros.

    Iderval Reginaldo Tenório

    Eduardo Alves da Costa é um poeta e dramaturgo carioca e está vivo. Vladimir Maiakovski foi um poeta russo, panfletário, que morreu em 1930. Um mal entendido liga estes dois seres humanos há quase 40 anos. Eduardo escreveu um poema, na década de 60, que se transformou em um hino na luta contra a ditadura militar, no Brasil. Chama-se “No Caminho, com Maiakóviski”. Eis o trecho mais conhecido:Costa graduou-se no curso de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie em 1952.[2] Organizou, em 1960, noTeatro de Arena, em São Paulo, uma das mais instigantes atividades culturais do período, as Noites de Poesia, em que eram divulgadas as obras de jovens poetas.[1] Participou do movimentoOs Novíssimos, da Massao Ohno, em 1962
     

                  O BLO0G É CULTURAL


      

    No caminho com Maiakóvski 

    Eduardo Alves Costa.

    NO CAMINHO COM MAIAKÓVSKI
    Assim como a criança
    humildemente afaga
    a imagem do herói,
    assim me aproximo de ti, Maiakóvski.
    Não importa o que me possa acontecer
    por andar ombro a ombro
    com um poeta soviético.
    Lendo teus versos,
    aprendi a ter coragem.

    Tu sabes,
    conheces melhor do que eu
    a velha história.


    CONTINUAÇÃO, ESTA É A PARTE MAIS CITADA.

    Na primeira noite eles se aproximam
    e roubam uma flor
    do nosso jardim.
    E não dizemos nada.

    Na segunda noite,

    já não se escondem;
    pisam as flores,
    matam nosso cão,
    e não dizemos nada.
    Até que um dia,
    o mais frágil deles
    entra sozinho em nossa casa,
    rouba-nos a luz, e,
    conhecendo nosso medo,
    arranca-nos a voz da garganta.
    E já não podemos dizer nada.
    Nos dias que correm
    a ninguém é dado
    repousar a cabeça
    alheia ao terror.
    Os humildes baixam a cerviz;
    e nós, que não temos pacto algum
    com os senhores do mundo,
    por temor nos calamos.

    No silêncio de meu quarto
    a ousadia me afogueia as faces
    e eu fantasio um levante;
    mas amanhã,diante do juiz,
    talvez meus lábios
    calem a verdade
    como um foco de germes
    capaz de me destruir.

    Olho ao redor e o que vejo
    e acabo por repetir não mentiras.
    Mal sabe a criança dizer mãe
    e a propaganda lhe destrói a consciência.

    A mim, quase me arrastam
    pela gola do paletó
    à porta do templo
    e me pedem que aguarde
    até que a Democracia
    se digne a aparecer no balcão.

    Mas eu sei,
    porque não estou amedrontado
    a ponto de cegar, que ela tem uma espada a lhe espetar as costelas
    e o riso que nos mostra
    é uma tênue cortina
    lançada sobre os arsenais
    Vamos ao campo
    e não os vemos ao nosso lado,
    no plantio.
    Mas ao tempo da colheita
    lá estão
    e acabam por nos roubar
    até o último grão de trigo.

    Dizem-nos que de nós emana o poder
    mas sempre o temos contra nós.
    Dizem-nos que é preciso
    defender nossos lares
    mas se nos rebelamos contra a opressão
    é sobre nós que marcham os soldados.
    E por temor eu me calo,
    por temor aceito a condição
    de falso democrata
    e rotulo meus gestos
    com a palavra liberdade,
    procurando, num sorriso,
    esconder minha dor
    diante de meus superiores.
    Mas dentro de mim,
    com a potência de um milhão de vozes,o coração grita
    - MENTIRA!
    ACESSEM O BLOG 


    http://www.iderval.blogspot.com

    Mesmo que já estejamos em contexto bem diferente daquele em que foi composto, vale a pena passear pelos versos e mensagem ainda muito atuais. 
                        Iderval Reginaldo Tenório



  • Belchior - Populus - YouTube

    www.youtube.com/watch?v=1XsheARH2-M

    17/10/2012 - Vídeo enviado por Marcos Pessoa
    Belchior - Populus CORAÇÃO SELVAGEM De Belchior "Populus,meu cão... O escravo, indiferente ...
  • Tudo Outra Vez - Belchior - YouTube

    www.youtube.com/watch?v=xXoOHwllx7U

    05/06/2011 - Vídeo enviado por Naucruz
    Meu cachorro ligeiro. Sertão, olha o Concorde Que vem vindo do estrangeiro. O fim do termo "saudade .