segunda-feira, 2 de março de 2015

SAGUIM OU SAGUI DEFENDE A SUA PROLE



A DIPLOMACIA NOS IRRACIONAIS

Macaco  defende a sua prole


Acordei com uma  pancada na cabeça, levei a mão ao rosto , um galo na testa e um fruto verde  no chão , olhei para cima , avistei dois Sagüins a me observar,  da fronde da grande mangueira carregada de brotos frutíferos  os dois animais queriam uma resposta , quem sequestrara o seu filhote e  qual a explicação de me encontrar deitado na sombra de um dos seus castelos?

Era cinco horas da tarde, no ocaso,  a luz do crepúsculo   , era o sol que iniciava o seu mergulho no além mar, algumas crianças perambulavam  na sombra da grande árvore,  num tumultuado burburinho  todas  opinavam o que fazer com  uma pequena e  estranha criatura que encontraram , um animal     de cabeça grande, olhos arredondados, pele   felpuda , calda  longa , garras afiadas e que mostrava sinal de vida.

Um dos adolescentes, quase adulto,  colocou a pequena vida na palma da mão, era um filhote de Sagüim  que caíra  no solo  devido as estripulias pertinentes  às crianças de todas as raças  de animais.

Inseguro e sob a tutela dos humanos,  disparou grunhidos   de temor e chiados de medo ,  pedia socorro, um dos Sagüins que me observava  sumiu mata adentro após  receber ordens do mais velho,  de repente , em menos de   um minuto, um  exército surgiu de todos os lados , o Sagüim Alfa estrategicamente orientava os menores, foram se aproximando em grupo de quatro  nos quatros quadrantes da frondosa e  imperial  árvore frutífera, apesar dos seus portes, as suas  manobras, as atitudes, os olhares e os gritos dos guerreiros foram suficientes para mandar a primordial mensagem:

“Estamos aqui , para resgatarmos um membro importante da família, estamos declarando um pacto de paz ou um grito de guerra,  o grito de  vida ou morte,  salvo , seja resolvido o impasse, o resgate do seqüestrado sem o pagamento do valor exigido, não tem dinheiro que pague uma vida, o preço é vida por vida.”

Esta foi a grande mensagem.

O Sagüim maior num assobio ensurdecedor deu o ultimo sinal para a sua tropa e o ultimo recado  para os delinqüentes infratores, enviou as suas ordens e se aproximou do burburinho humano. Fui até as crianças, olhei cara a cara para o Sagüim chefe ,  mostrei o lenço branco da paz, levantei os braços num sinal de trégua, abaixei-os compassadamente, estiquei o braço direito para lhe cumprimentar, apertei a minha mão direita sobre a mão esquerda , comprimindo uma na outra num sinal de afago , balancei num gesto de paz e de concordância, o comandante parou, balançou a cabeça, mirou o bando e os outros ficaram a lhe observar, houve um silencio celestial; neste momento ordenei aveludadamente que o filhote fosse colocado no tronco da centenária mangueira, nos afastamos por mais de cinco metros do local .

Num mágico salto, veloz como  um relâmpago, o velho Sagüim foi ao solo, colocou o filhote no pescoço, cheirou,  fez um afago, olhou para nós num cumprimento de respeito e agradecimento, soltou um alto assobio , todo o bando sumiu em disparada aos pulos e  aos gritos mata adentro   em completa algazarra de alegria, era o berro da vitória, numa clara demonstração de diplomacia de causar inveja aos humanos, que cada dia mostra que a força, a truculência e o massacre tem sido o  modus operandi para o resgate da pseudo cidadania e para o domínio das raças, pregando que,  primeiro  bate para depois perguntar, este é o termo principal da cartilha humana.
A força em vez do diálogo, ainda é a maior arma desta civilização humana na conquista da hegemonia global.

 Salvador, 02 de Março de 2015
Iderval Reginaldo Tenório






O sagui  é o macaco de menor porte existente na Natureza; é também denominado mico e integra a família Callitrichidae. O termo em português provém da língua tupi. Ele tem o rabo comprido, sua cabeça é extensa e ampla; as unhas apresentam o formato de garras, embora o polegar tenha uma configuração distinta e não se separe dos demais.  Este animal é portador de 32 dentes: oito incisivos, quatro caninos, doze pré-molares e oito molares.

Foto: Miguelrangeljr (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons
Foto: Miguelrangeljr (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons
São criaturas estritamente selvagens, portanto não devem ser mantidas como animais de estimação. Os maiores atingem uma média de 20 centímetros e o menor mede cerca de 11 centímetros, e é conhecido como Sagui leãozinho. Eles habitam, normalmente, as matas da América Central e do Sul. Das 35 espécies identificadas, 25 vivem em território brasileiro.

Estes animais são geralmente encontrados em grupos, abrigados em arbustos, pois são dotados de unhas aguçadas e de incomum desenvoltura, recursos que lhes permitem subir em árvores sem qualquer problema. Já o rabo, desproporcional em relação ao seu tronco, não lhes confere a habilidade de outros primatas para suspendê-los nos ramos; eles exercem somente a função de equilibrá-los.
Bichos deveras habilidosos e arteiros, eles se sustentam sobre quatro patas, pulam com incrível destreza, soltam guinchos e assobios discernidos a grandes distâncias, preservam costumes exercitados à luz do dia e têm o hábito de ir à terra somente para caçar insetos e procurar água.
Seus pelos podem ser pretos, castanhos, brancos, dourados e prateados. Eles adoram ter sua pelagem alisada por meio de escovas dentais não usadas, pois se entrosam muito bem com os humanos, ocultando-se em seus cabelos e andando através de seus ombros. Mas é importante não se deixar iludir por seu jeito aparentemente tranqüilo, pois são instáveis e podem, repentinamente, cravar os dentes em alguém sem nenhum motivo concreto.
O sagui tem uma vida social semelhante à das formigas, pois ele se organiza em coletividades lideradas por um casal. Estes animais são fiéis aos seus parceiros e lutam pelo comando do bando por meio de lutas acirradas. Machos e fêmeas têm funções distintas; eles defendem o grupo e elas se alimentam primeiro que seus pares.
São os pais que ensinam seus filhos a realizar as refeições, exercendo também o exemplo nas tarefas de acasalamento, caça e tratamento das crias. Quando estão presos, estes bichos necessitam primeiramente observar como seus proprietários comem, para depois reproduzir o seu comportamento.
Livres, eles se alimentam de insetos, répteis, mamíferos minúsculos, aves, lesmas, ovos, determinados vegetais, frutas e a goma dos arbustos. No cativeiro eles preferem bolinhas de carne produzidas com apenas 1 cm, em dias revezados.
Em liberdade eles preservam a vida por pelo menos 10 anos; na prisão eles têm uma existência mais prolongada, que pode durar até 18 anos. Aos 3 anos eles já atingem o necessário amadurecimento sexual. O acasalamento ocorre quando o par está sozinho em um habitat tranqüilo, desprovido de seres humanos. A fêmea pode se reproduzir novamente dois dias depois de dar à luz, gerando novos filhotes a cada 6 meses.
Fontes:
http://iguinho.ig.com.br/canalnatureza/sagui.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sagui

Geraldo Vandré - Pra não dizer que não falei das Flores ...

www.youtube.com/watch?v=1KskJDDW93k
18 de out de 2008 - Vídeo enviado por gabrielmendesskate
Um clipe com fotos da ditadura militar e outras manifestações populares, o que foi esquecido ultimamente...

DEIXE O SEU COMENTARIO

Um comentário:

Marcus Vinícius disse...

Se todos tivesse esse modo de pensar dese pequeno animalzinho...