quarta-feira, 7 de junho de 2017

CUIDADO COM A ALIMENTAÇÃO- NÃO SEJA CAQUETICO E NEM OBESO MÓRBIDO- SEJA NORMAL:GORDO OU MAGRO.

Resultado de imagem para CAquetico
Adicionar legenda

CUIDADO COM A ALIMENTAÇÃO- NÃO SEJA CAQUETICO E NEM OBESO MÓRBIDO- SEJA NORMAL:GORDO OU MAGRO.

Não seja caquético ou obeso mórbido- seja Normal(Gordo ou Magro)

Estudo diz que alguns quilos a mais podem aumentar tempo de vida

SADIAS NORMAIS
CUIDADO COM A ALIMENTAÇÃO
 
AMIGOS, DIVULGUEM ESTA MATÉRIA ENTRE OS AMIGOS, COM OS MAGROS, OS GORDOS ,  OS OBESOS OU OS NORMAIS COMO VOCÊ.
  DIVULGUEM. 
    O HOMEM PODE COMER TUDO E DE TUDO,  EVIDENTEMENTE  TEMPERADO COM MODERAÇÃO , PRUDÊNCIA E PARCIMÔNIA.
 
  OS OBESOS MÓRBIDOS COMEM POR COMPULSÃO, É O REFLEXO DA GULA E OBCESSÃO , NÃO PRECISAM COMER TANTO, SÃO CONVOCADOS E CHAMADOS A COMEREM.
 
 
QUEM FAZ OS OBESOS MÓRBIDOS A  EXAGERAREM  SÃO:
A GENÉTICA,  OS COSTUMES FAMILIARES E REGIONAIS, O STRESS, O SEDENTARISMO, OS OLHOS, OS OUVIDOS,  O NARIZ E O FÁCIL ACESSO AOS  ALIMENTOS , POR ÚLTIMO AS   DOENÇAS METABÓLICAS.  
 
     RESUMINDO:
 
 
O GORDO É UM SER SADIO, É A GENÉTICA. 
 O OBESO MÓRBIDO PODE SER UM DOENTE.
 URGE INVESTIGAR A CAUSA.
Iderval Reginaldo Tenório

Amigos, tenho batido nesta tecla há mais de 20 anos, escrevo e explano que o ser humano gordo não é doente, explico que a gordura é sinal de saúde, que a gordura normal que o ser humano acumula  não é nem de longe um alerta para desespero, é uma reserva primordial e de excelência para as horas difíceis da vida. 


 O medo, a paranoia  e  o stress difundidos na  mídia pelo grande mercado da obesidade, que não é pequeno, ovacionados por alguns segmentos da medicina e aceitos pela sociedade atual,  são muito mais prejudiciais  à saúde do gordo, do que esta camada  energética, macia, protetora , isolante  , necessária à vida,  chamada de lipídios  e  que  estes sadios  seres humanos possuem de 10% a 20% acima da média.   
  
 A obesidade mórbida  sim, é doença , agrega riscos, gera comorbidades  e  tem que ser tratada. 

É o meu slogan  há mais de 25 anos: 


É MELHOR SER UM GORDO SADIO DO QUE UM MAGRO DOENTE.
 NEM OBESO E NEM CAQUÉTICO, SEJA NORMAL.

Leiam a matéria com atenção e procurem neste mesmo blog muitas matérias sobre o assunto. Gordo não é obeso. 
Iderval Reginaldo Tenório
quero a sua opinião.
                                                                             

"Estudo diz que alguns quilos a mais podem aumentar tempo de vida 02/01/2013 - 15h44 | do UOL Notícias Pequenos excessos de tecido adiposo poderiam fornecer reservas de energia para certas doenças Em Washington 

                    Pessoas com excesso de peso e obesos moderados vivem um pouco mais do que aquelas com peso normal, enquanto a obesidade mais elevada aumenta significativamente o risco de morte, de acordo com uma análise de quase uma centena de estudos em todo o mundo publicada no Journal of the Medical American Association (Jama). 

                   Este estudo sugere várias hipóteses para explicar este paradoxo, como os efeitos benéficos de maiores reservas de energia no corpo ou o fato de que as pessoas obesas procuram mais tratamento médico. 

                        A análise publicada pelo Jama é uma síntese de 97 estudos abrangendo 3 milhões de pessoas em todo o mundo. Os pesquisadores determinaram que os indivíduos cujo índice de massa corporal (IMC, peso dividido pela altura ao quadrado) está entre 25 e 30, considerados obesos, têm um risco de morte 6% menor do que os de peso normal, com um IMC de 18,5 a 25. Para aqueles que sofrem de obesidade moderada, definida com um IMC de 30 a 35, o risco de mortalidade é 5% menor em comparação com pessoas de peso normal. 

Mas para os obesos com IMC maior que 35, o risco de mortalidade aumenta em 29% em comparação com indivíduos normais. "  
Tirem as suas conclusões.


.Iderval Reginaldo Tenório




Um comentário:

Elisangela Alves disse...

Seu texto foi esclarecedor para mim. Pouco ou nada sabia acerca desta matéria.

Como mesmo disse, muito do que sabemos tem reflexos, muitas vezes deturpados, vindos dos meios de comunicação que, por inconsequência ou mero descuido, ainda não perceberam os impactos negativos que essas ações, quando veiculadas de forma errada, geram nos seres humanos.

Nem sempre temos discernimento de qual seja realmente a medida certa para cada um. Há momento que erramos para mais (desencadeando a obesidade mórbida), as vezes para menos (ocasionando numa magreza excessiva e doentia).

Assim, vamos vivendo a vida sem muito rumo, sem muito prumo, ora acertando, ora errando, tropeçando, corrigindo, sobrevivendo, comendo... - um pouco mais, um pouco menos ou mais ou menos, e, em cada uma dessas ações, vem certeiro as consequências de nossas escolhas.

É vislumbrando o contexto desta matéria que torço para que saibamos acertar mais do que errar para que as consequências não seja desastrosas.

E Viva a saúde identificada nas diversas formas corporais!