domingo, 7 de agosto de 2016

MÉDICOS QUE FIZERAM HISTÓRIA - Dra. Maria Theresa De Medeiros Pacheco -

Dra. Maria Theresa De Medeiros Pacheco

       

Nasceu na cidade de Atalaia, Alagoas, dia 2 de setembro de 1928, sendo seus pais o “Coronel Pacheco” e D. Morena, fazendeiros da região.

Realizou os estudos iniciais na cidade de Penedo e Maceió.

Chegou em Salvador no ano de 1945, onde cumpriu a última etapa de seus preparatórios e ingressou na Faculdade de Medicina, pela qual foi diplomada em 1953.

Foram seus colegas de turma, Adilson Sampaio, Angelina Pelosi, Carlos Kruchevsky, Guilherme Rodrigues da Silva, João Targino de Araújo, Lipe Goldenstein, Luiz Moreira da Silva, Raimundo Perazzo, Sebastião Dias Pereira.

Recém-formada, especializou-se em ginecologia e obstetrícia e trabalhou na Maternidade Nita Costa e no Hospital Santa Izabel.

Em 1954, foi convidada pelo Prof. Estácio de Lima para atender crianças, mulheres e adolescentes vítimas de violência sexual no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues.

Graças a sua atuação nas maternidades Nita Costa, Tsylla Balbino e Climério de Oliveira, e nos hospitais Aristides Maltez, Português e Espanhol, ganhou notoriedade.

Tornou-se legista de grande conceito.

Concluído o mandato de Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Legal, seguiu para a Europa, onde realizou cursos de pós-graduação em Lisboa, Madrid e Paris.

Regressando a Salvador, candidatou-se à Livre Docência na Universidade Federal da Bahia, tornando-se a primeira médica legista do Brasil.

Aprovada, por concurso, para professora titular de Medicina Legal na Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública, empreendeu viagens de estudo a várias universidades e centros de polícia científica da Itália, França, Suíça, Holanda, Alemanha e África.

Concorreu à sucessão do Prof. Estácio de Lima, tornando-se a primeira mulher a ocupar uma cátedra de medicina legal.

Continuando sua trajetória, foi diretora do Instituto Nina Rodrigues e professora de medicina legal da Faculdade de Direito da UFBa, do Curso de Formação de Oficiais de Academia de Polícia Militar, da Faculdade de Direito da Universidade Católica do Salvador, e dos cursos de medicina e de direito das demais instituições de ensino superior da capital.

Ocupou, durante muitos anos, os cargos de diretora do Instituto Nina Rodrigues e do Departamento de Polícia Técnica da Secretaria de Segurança Pública, funções exercidas pela primeira vez, por um membro do sexo feminino.

Participou de concursos para livre docência, e professor titular de várias faculdades de medicina e abrilhantou com sua presença inúmeros congressos médicos no Brasil e no exterior.

Fez parte de várias instituições científicas e culturais, destacando-se dentre estas a Academia de Medicina da Bahia, a Fundação José Silveira e o Instituto Baiano de História da Medicina e Ciências Afins, ocupando a presidência das duas primeiras.

Publicou artigos científicos em periódicos de grande relevância, recebendo prémios e condecorações.

Professora Emérita da UFBa, cidadã baiana e cidadã da cidade do Salvador, amou a vetusta Faculdade de Medicina, lutando, na qualidade de Presidente da Comissão, para a sua completa restauração.

Por todos os títulos e qualidades, é considerada uma figura luminar da medicina brasileira.

Faleceu no dia 12 de maio de 2010, sendo seu corpo velado no Salão Nobre da Faculdade de Medicina que lhe serviu de berço.,

Em sua homenagem foi criado o prêmio Professora Maria Theresa Medeiros Pacheco:
 O Prêmio Profa. Maria Theresa Pacheco foi promovido pela Fundação José Silveira, o Instituto Geraldo Leite e o Instituto Médico Legal Nina Rodrigues com a finalidade de homenagear a memória de tão expressiva mestra que teve sua vida integralmente dedicada à ciência.
O Prêmio tem por objetivo estimular o desenvolvimento científico entre profissionais das áreas médica e jurídica, e a estudantes do último semestre do curso de medicina ou de direito.
Sendo de âmbito nacional, neste primeiro ano da sua implantação, serão selecionados artigos científicos na especialidade de medicina legal com abrangência nas áreas de tanatologia, traumatologia, psiquiatria, antropologia e sexologia forenses, além de infortunística (medicina do trabalho – perícia médica).

 
DEPOIMENTO DE LAMARTINE LIMA
(Disponível em http://www.cremeb.org.br/cremeb.php?m=site.item&item=463&idioma=br)


“No pós-guerra imediato a segunda grande conflagração global, passadas as angústias dos torpedeamentos, a bordo do navio "Itaimbé", desatracado do porto de Maceió, chegou a Salvador u´a moça loira e esbelta, bonita e inteligente, plena da determinação para ser médica pela histórica Faculdade de Medicina do Terreiro de Jesus.
Nascida em Atalaia, Alagoas, em 2 de setembro de 1928, crescera em São Miguel dos Campos, no mesmo estado, entre duas irmãs e três irmãos, na fazenda dos pais, Coronel Pacheco e D. Morena, fizera os estudos ginasiais na cidade alagoana de Penedo, à beira do rio São Francisco, terra que fora importante fortaleza no Brasil Holandês, e terminara o curso secundário na capital da "terra dos marechais".
Trazia apresentação e recomendação escrita por um parente do seu conterrâneo alagoano e catedrático daquela escola superior, Professor Estácio de Lima, que se tornaria o seu orientador.
Submeteu-se ao exame vestibular, com as tradicionais provas escrita, oral e prática, pela exigente banca presidida pelo Professor Magalhães Neto, e ingressou no curso médico decidida a escolher como especialidade a gineco-tocologia.
Através do convívio vinculou-se profundamente à família do Professor José Olímpio, marcadamente o hoje falecido Doutor Cícero Adolfo, cultivando ligação fraternal com a colega Carminha Moreira; estreitou amizade com as colegas conterrânea Lair Ribeiro e baianas Terezinha Parada e Angelina Pelozzi, entre muitas e mais aquelas tão suas queridas que já partiram deste mundo dos vivos, como a piauiense Abigail Feitosa e a sergipana Anita Franco, assim também os colegas e amigos Carlos Maltez, Anníbal Silvany, Luís Neves e Alexinaldo Portela, e tantas outras suas saudades.
Rigorosamente católica e sem beatices, extremamente prestante como boa cristã e severa no cumprimento do dever, tanto tinha de séria como de bem humorada.
Cultora da nordestinidade, foi sempre queridíssima por todos os colegas e admirada por todos os amigos, no Brasil e no Exterior.
Sua têmpera bem forjada consolidava um baluarte de solidariedade diante do infortúnio que por desventura viesse a pesar sobre qualquer das pessoas de suas relações sociais.
Destacou-se pelos estudos teóricos e dedicação aos trabalhos práticos, especialmente depois de diplomada e trabalhando junto ás pacientes das maternidades "Nita Costa", "Tsylla Balbino" e "Climério de Oliveira" e aos clientes dos hospitais "Aristides Maltez", "Português" e "Espanhol". Mais tarde, fundaria a sua "Clínica de Senhoras", na qual manteve grande clientela particular e de convênios.
Um dia, o Professor Estácio de Lima convidou-a para lecionar, em sua cadeira, a parte referente à ginecologia e à obstetrícia forenses. Então, aconteceu o começo de sua vida professoral, que a cada ano cresceu de intensidade e expandiu-se para todo o amplo âmbito da medicina judiciária, pela qual desenvolveu um verdadeiro fascínio.
Logo se tornou médica legista de grande competência, conhecida nos congressos da categoria em nosso País e todas as nações lusófonas. Depois, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Legal, quando, durante a sua gestão, realizou um ótimo congresso em Salvador.
Instada pelo seu orientador, fez cursos de pós-graduação em Lisboa, em Madrid e em Paris, preparou-se e prestou vitorioso concurso para livre docência. Tornou-se professora doutora e passou a oficialmente ensinar na Faculdade de Medicina da Bahia, na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia, no Curso de Formação de Oficiais da Academia de Polícia Militar do Estado da Bahia e, depois, na Faculdade de Direito da Universidade Católica do Salvador.
Com o Professor Estácio de Lima, visitou universidades e centros de polícia científica na Itália, França, Suíça, Holanda e Alemanha e esteve na África Ocidental.
Na sucessão do mestre Estácio de Lima, disputou com outro candidato, também alagoano, catedrático de odontologia legal, e ganhou em concurso a titularidade da disciplina que sempre a encantou, na Escola Bahiana e na Universidade Federal da Bahia, tornando-se, no mundo, a primeira catedrática de medicina legal.
Participou, como examinadora, de várias bancas em concursos públicos para titulação de mestres, doutores, docentes livres e titulares de disciplinas universitárias. Ficou conhecida por suas aulas instigantes, que conduziram muitos de seus alunos a escolher a especialidade médico-judiciária ou tomar os caminhos do direito penal.
Muitas vezes foi homenageada por seus discípulos nos quadros de turmas de doutorandos, e em diversas ocasiões foi eleita paraninfa de médicos e de bacharéis em direito.
Exerceu por largos anos os cargos de diretora do Instituto Médico-Legal "Nina Rodrigues" e diretora-geral do Departamento de Polícia Técnica da Secretaria da Segurança do Estado da Bahia - funções também pela primeira vez exercidas por u`a mulher - , absolutamente estimada e respeitada por todos os funcionários daquelas repartições, que se constituíram seus amigos.
A Assembléia Legislativa, em reconhecimento, fê-la cidadã baiana. A Câmara Municipal a fez cidadã soteropolitana e comendadora da medalha "Maria Quitéria".
Durante muitos anos prestou sua importantíssima colaboração como membro e presidente de Câmara do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia. Foi titular e presidente da Academia de Medicina da Bahia. Também na qualidade de membro titular, participou ativamente dos trabalhos do Instituto Bahiano de História da Medicina e Ciências Afins. E tornou-se sócia efetiva da mais antiga instituição cultural não oficial baiana, o centenário Instituto Geográfico e Histórico da Bahia.
Designada através de portaria do reitor da Universidade Federal da Bahia, presidiu ininterrupta e empenhadamente, pelo período de doze anos, a Comissão de Acompanhamento das Obras de Restauração do Complexo Arquitetônico da Faculdade de Medicina da Bahia no Terreiro de Jesus, em atividades preparatórias do bicentenário dessa primeira escola superior nacional.
Aposentada compulsoriamente, por motivo de idade, das lides universitárias, foi eleita presidente de instituição de reconhecido mérito científico e grande ação social, criada por seu grande amigo, já falecido, a Fundação "José Silveira".
Depois de um quarto de século da perda do mestre Estácio de Lima, por quem desenvolvera deslumbramento e dedicação inexcedíveis, ultrapassou a oitava década da vida bastante louçã, bonita, elegante e agradabilíssima.
Assim recebeu da Congregação da Faculdade de Medicina da Bahia o título de Professora Emérita.
Certamente ao desembarcar no porto de Salvador, há doze lustros, não pensava que aqui passaria toda a sua tão útil existência.
No ano passado, operada havia cerca de dois meses, no dia de Santo André ela esteve assistindo a "missa do ângelus" na Basílica de Nosso Senhor do Bonfim. Depois, participou de solenes eventos acadêmicos na Universidade Católica.
Nos últimos meses não mais foi vista em acontecimentos sociais, culturais, científicos ou religiosos.
Eis que, agora, somos atingidos pela notícia fúnebre sobre a Professora Doutora Maria Theresa de Medeiros Pacheco, baiana das Alagoas, benemérita da Bahia.
É uma enorme perda para a sua família, amigos, colegas, alunos e para a cultura da sua tão querida Salvador.
Desde então, ela está junto Àquele em Quem sempre confiou, na glória a que faz jus, ao lado de Deus. "

 
 
Edição: Phablo Monteiro
Fonte: Homenagem Póstuma do Mural da Ucsal representado pelos ex alunos e colegas professores e funcionários da Universidade Católica de Salvador(UCSAL); Professor Carlos Abreu

  Participe, envie o material histórico cultural de Atalaia para o e-mail: atalaiapop2@hotmail.com

2 comentários:

IDERVAL REGINALDO TENÓRIO TENÓRIO disse...

Grande exemplo para todos

Anônimo disse...

Tive o prazer de conhecer a profa. Maria theresa de medeiros pacheco como conselheira da 2 camara do conselho regional de medicina do estado da bahia. Uma senhora alta e elegante, dona da mais alta inteligencia e simplicidade para com todos que dela se aproximavam. Sempre muito cortes com todos nos servidores do conselho e nos presenteava com o seu sorriso e belos e bons conseelhos. Sou grata ao cremeb que me proporcionou conhecer a ilustre e catedratica profa. Maria theresa de medeiros pacheco.