domingo, 29 de dezembro de 2013

O LUTADOR ANDERSON QUEBRA A PERNA ESQUERDA


              

Fratura de Tibia e Fíbula ·

  • Fratura de tíbia - Diafisaria
    A tíbia, osso da canela ou osso da perna é um  osso longo frequentemente fraturado. Os ossos longos incluem o fêmur, úmero, tíbia e da fíbula.
    A fratura diafisária da tíbia ocorre ao longo do comprimento do osso, abaixo do joelho e acima do tornozelo.
    Normalmente a fratura dos ossos longos é decorrente de uma grande força e outras lesões ocorrem frequentemente com estes tipos de fraturas.

    AnatomiaA perna é formada por dois ossos: a tíbia e a fíbula. A tíbia é o maior dos dois ossos. Ele suporta a maioria do peso corporal e é uma parte importante da articulação do joelho e do tornozelo.

    Tipos de fraturas diafisárias da tíbia A tíbia pode quebrar de diversas formas. A gravidade da fratura geralmente depende da quantidade de força que causou a fratura. A fíbula é muitas vezes quebrada também.

    Os Tipos mais comuns de fraturas tibial incluem:
    Fratura estável: Este tipo de fratura apresenta pouco descocamento os ossos estão próximos e não tem a tendencia de sair do lugar. As extremidades dos ossos estão alinhados. Em uma fratura estável, os ossos costumam ficar no local durante a cicatrização.

    Fratura deslocada ou desviada: Quando um osso quebra e é deslocado, as extremidades quebradas são separados e não se alinham. Estes tipos de fraturas geralmente exigem cirurgia para colocar os fragmentos ósseos de volta no lugar.

    Fratura transversa: Este tipo de fratura tem uma linha de fratura horizontal. Essa fratura pode ser instável, especialmente se a fíbula também está quebrada.

    Fratura oblíqua: Este tipo de fratura tem um padrão angular e normalmente é instável. Se uma fratura oblíqua é inicialmente estável ou minimamente deslocada, ao longo do tempo pode desviar. Isto é especialmente mais frequente se a fíbula não está quebrada.

    Fratura espiral: Este tipo de fratura é causada por uma força de torção. O resultado é uma espiral em forma de linha de fratura sobre o osso, como uma escada em caracol. Fraturas em espiral podem ser deslocadas ou estáveis, dependendo da quantidade de força que provocou a fratura.

    Fratura cominutiva ou multifragmentar: Este tipo de fratura é muito instável. O osso quebra em três ou mais fragmentos.

    Fratura exposta: Quando os ossos quebrados rompem a pele, eles são chamados de fraturas expostas ou abertas. Por exemplo, quando um pedestre é atingido pelo pára-choques de um carro em movimento, a tíbia quebrada pode se projetar através de um rasgo na pele e de outros tecidos moles.
    Fraturas expostas muitas vezes envolvem muito mais danos para os músculos ao redor, além de tendões e ligamentos. Eles têm um maior risco de complicações como infecção e levam mais tempo para curar.

    Fratura fechada: Com esta lesão, os ossos quebrados não romper a pele. Apesar da pele não está lesada, internamente os tecidos moles ainda podem ter sido seriamente danificados. Em casos extremos, inchaço excessivo pode cortar o fornecimento de sangue e levar a morte do músculo, e em casos raros amputação ( Síndrome compartimental).

    Causas
    Colisões, quedas de moto e acidentes de alta energia de alta energia, são causas comuns de fraturas da diáfise tibial. Em casos como estes, o osso pode ser quebrado em vários pedaços (fratura cominutiva) Raramente podem quebrar em esportes como no futebol, quando a fratura ocorre com traumas menores precisamos avaliar a possibilidade de fraturas patológicas.

    Lesões esportivas: Essas fraturas são normalmente causados por uma força de torção e resultam em um tipo oblíquo ou espiral de fratura.

A força dos músculos e ossos

O esqueleto humano é o engenho mecânico mais perfeito já criado pela natureza, mas exige cuidados. Dois fatores para seu equilíbrio são a alimentação balanceada e a atividade física regular.

 

"
Constituído por ossos, músculos, tendões, ligamentos e outros componentes das articulações, o sistema músculo-esquelético é o engenho mecânico mais completo já projetado pela natureza, capaz de executar variadas ordens emitidas pelo cérebro – desde pintar um soldadinho de chumbo até rebocar grandes objetos.

 Os ossos estão preparados para resistir a movimentos fortes e bruscos. Essa característica é fruto de sua arquitetura interna. Fibras de colágeno e cristais salinos se entrelaçam para formar algo parecido com um edifício: as fibras de colágeno equivalem a barras de aço, que garantem ao osso grande resistência à tensão, enquanto o papel do cimento é executado por cristais de hidroxiapatita. Esses, tão duros quanto o mármore, garantem às peças esqueléticas uma resistência à compressão superior à do concreto armado.

Em constante regeneração
No centro dos ossos encontra-se a medula, uma substância suave e menos densa em que se localizam células especializadas em uma função vital, embora às vezes ignorada ou esquecida: a produção do sangue. Como qualquer tecido vivo, os ossos estão em processo constante de regeneração. O osso velho é digerido por células ósseas chamadas osteoclastos.

 Quando elas terminam sua tarefa, abandonam o meio para que os osteoblastos, outra família celular, reconstituam as porções de osso eliminadas. Normalmente, exceto nos ossos em crescimento, as taxas de tecido ósseo digerido e reconstituído são iguais entre si, de modo que sempre teremos a mesma quantidade de osso.

Para nossa infelicidade, esse equilíbrio se rompe naturalmente à medida que envelhecemos. Os ossos humanos atingem seu maior vigor por volta dos 30, 35 anos de idade. A partir de então, podemos perder de 3 a 5 mm de densidade óssea por ano. E mais: certas doenças, o sedentarismo, a deficiência de cálcio e vitamina D, o uso de determinados medicamentos, o abuso de álcool e cigarro e a menopausa precoce, entre outros fatores, podem acelerar a perda de qualidade e quantidade do tecido ósseo.

Cada músculo é constituído por fibras musculares de dois tipos principais: as de contração rápida, que facilitam a execução dos movimentos explosivos, e as de contração lenta, úteis nas atividades de resistência. Algumas pessoas têm mais fibras lentas que rápidas. Em outras, ocorre o contrário. Essas diferenças musculares podem definir nossa aptidão para realizar certos exercícios ou nos sobressairmos em um dado esporte: pessoas com mais fibra rápida se destacam nas provas de salto e nas corridas de 100 m, ao passo que os mais ricos em fibras lentas tendem a vencer as maratonas.

Não há comprovação científica de que o treinamento físico modifique as quantidades relativas dos tipos de fibra muscular. A composição fibrosa dos músculos é uma herança genética. Por isso, pode-se falar em uma predisposição para esportes específicos. Compare: numa pessoa normal, a proporção média entre fibras rápidas e lentas no quadríceps é de 55 para 45%; num corredor de maratona, de 18 para 82%; num velocista ou saltador, de 63 para 37%.

A predisposição genética também está relacionada à massa muscular e à secreção de testosterona, o hormônio que garante aos homens uma musculatura mais exuberante que a das mulheres. Mas, diferentemente do que ocorre em relação à composição fibrosa, a atividade muscular influi no aumento da massa e da resistência. O sedentarismo deixa os músculos mais fracos e pode causar atrofia, ao passo que o treinamento ajuda a aumentar o volume dos músculos, melhora sua potência e os deixa mais resistentes à fadiga."

2 comentários:

gilcele disse...

Adoreiiii

IDERVAL TENÓRIO-MÉDICO disse...

Em Los Angeles nas Olimpíadas um corredor dos 100 metros na arrancada fraturou no mesmo local, a junta medica concluiu que ele desenvolveu a musculatura acima de sua capacidade óssea , os músculos quando acionados tem muita força, os ossos não bem formados fraturam. As dietas que hoje os jovens estão fazendo vai pesar no fuutur0. A nossa felicidade é que o homem da atualidade não pega peso, a cada dia que passa a capacidade diminui, para melhorar procura-se as academias, os esporte e quando não bem orientados, ou praticam além da capacidade acontecem as tragédias. Tem muita gente fazendo pilates devido os estragos feitos anteriormente. A matéria é para reflexão. Alimente seu filho, proporcione as melhores condições na alimentação em cada fase da vida. As mães sabem mais do que muitos que não são mães. Por isso que digo.; RESPEITEM OS SEUS PAIS.